Início Últimas Notícias Internacionais Roger Waters lança nova versão de música chilena e critica líderes mundiais

Roger Waters lança nova versão de música chilena e critica líderes mundiais

318
REUTERS
REUTERS

Parece que nem mesmo o coronavírus irá impedir Roger Waters de continuar com a sua cruzada contra políticos e algumas regras controversas desse mundo caótico em que vivemos.

O lendário músico lançou um novo vídeo em suas redes sociais, apresentando sua versão para a canção “El Derecho de Vivir en Paz”, do cantor chileno Victor Jara. Na versão de Waters, a canção foi “atualizada” e vários líderes mundiais foram criticados… vamos entender a história?

El Derecho de Vivir, por Roger Waters

Como eu destaquei, foi por meio das redes sociais que Waters apresentou ao mundo a sua versão da canção “El Derecho de Vivir en Paz”. Confira…

Para quem não sabe, a canção original foi lançada em 1971 pelo cantor chileno Victor Jara. Jara, como muitos músicos (latino-americanos) da época, fazia uso das suas canções para lutar contra a ditadura. Aliás, o músico foi morto em 1973, pela ditadura de Augusto Pinochet.

Por conta dessa história, Victor Jara acabou sendo transformado em mártir e símbolo da luta pela justiça social. Não à toa, no ano passado, quando os chilenos foram às ruas para protestar contra o governo Piñera, essa mesma canção se tornou uma espécie de hino dos protestantes.

Em alguns dos versos da versão de Waters, temos menções a diversos nomes, inclusive o nome do presidente Bolsonaro. Veja alguns trechos:

  • “Da minha cela na cidade de Nova York
  • Eu posso ouvir os cacerolazos [panelaços]
  • Eu sinto o seu cheiro, Pinero [provável referência a Sebastián Piñera
  • Todos os ratos malditos têm o mesmo cheiro.
  • Então cuidado Bolsonaro, Guido [provável referência a Guido Fawkes, site da direita inglesa] e [Narendra] Moti e [Donald] Trump
  • O cacerolazo é mais alto que todas as suas armas
  • É o coração das pessoas batendo
  • E a mensagem está perfeitamente clara
  • Nossa mãe Terra simplesmente não está à venda”.

Resumindo, mais uma vez, Roger Waters resolveu “cutucar” os “grandes líderes” e defender seu discurso humanitário. Além disso, a interpretação dispensa comentários. Até mais no PurePop…