Início Últimas Notícias Internacionais Roger Waters encanta com “versão de isolamento” da canção “Mother”

Roger Waters encanta com “versão de isolamento” da canção “Mother”

143
“Mother”, Roger Waters
“Mother”, Roger Waters

Se olharmos toda essa situação do COVID-19 e do isolamento social pelo lado bom, uma das coisas mais positivas que encontraremos é a grande quantidade de versões diferenciadas de clássicos da música.

Dessa vez, por exemplo, Roger Waters, grande força criativa do Pink Floyd, resolveu presentear os fãs com uma versão bem emocionante do clássico “Mother” (um dos destaques do álbum The Wall)… vamos ouvir?

“Mother”, Roger Waters

Quem acompanhou os últimos shows que o lendário Roger Waters realizou aqui no Brasil já sabe que a canção “Mother” foi uma das presenças mais marcantes do setlist. Nessa última turnê, a canção passou por algumas alterações e ganhou uma poderosa carga emocional.

Ontem, 17 de maio, Waters resolveu surpreender e emocionar os fãs. Afinal, o músico liberou um clipe incrível, no qual a “versão de turnê” da canção “Mother” é apresentada. Confira…

“Mother” foi lançada em 1979, como uma parte importante do álbum The Wall. A canção cumpre uma função muito interessante no contexto do disco e apresenta uma das letras mais inspiradas de Waters.

Ao liberar o clipe, o músico ainda declarou: “O distanciamento social é um mal necessário neste mundo da Covid. Ver [este vídeo de] “Mother” me lembra o quão insubstituível é o prazer de fazer parte de uma banda”.

Para quem gosta de especulações, poucos segundos antes do encerramento do vídeo, é possível ouvir Waters dizer: “Dave, I Miss You”. Quando unimos essa frase à mensagem que acompanhou o vídeo, é possível supor que o músico esteja com saudades da época do Pink Floyd. Afinal, Dave poderia ser David Gilmour.

Logicamente, isso é apenas especulação, pois o Dave também poderia ser Dave Kilminster, o grande guitarrista que acompanha Waters nas turnês.

De todo modo, o que fica é o grande presente, que é essa versão da icônica “Mother”. Sem dúvidas, esse foi um dos registros mais impressionantes dentre os muitos “tesouros da quarentena”… Até a próxima!