Início Últimas Notícias Internacionais Chvrches lança quarto álbum de estúdio ‘Screen Violence’

Chvrches lança quarto álbum de estúdio ‘Screen Violence’

79

CHVRCHES compartilhou seu quarto álbum de estúdio, Screen Violence, lançado pela EMI Records (Reino Unido) e Glassnote (EUA).

Screen Violence traz os singles anteriormente lançados ‘He Said She Said’, ‘How Not To Drown’ com um dos heróis musicais da banda, Robert Smith, e ‘Good Girls’, que foi recentemente remixado pelo icônico diretor de cinema, ator, roteirista e compositor John Carpenter.

Os vídeos oficiais que acompanham esses singles formaram uma trilogia lo-fi, nostálgica e de inspiração analógica dirigida por Scott Kiernan.

Experimentar 2020 foi experimentar algo como violência por tela. Era lutar para fazer as pessoas que você amava se sentirem mais reais do que os personagens dos programas de TV, e vivenciar um mundo de trauma e tumulto como se fosse outro programa de TV.

2021, no entanto, marca uma década juntos para Iain Cook, Martin Doherty e Lauren Mayberry – uma década cujo som eles ajudaram a criar e definir.

Chvrches – ‘Screen Violence’

Em Screen Violence – originalmente concebido como um nome para a banda, mas revivido para o álbum dez anos depois e durante uma pandemia quando a realidade da violência na tela nunca foi mais pertinente – eles narram o tema da violência na tela em três principais formas: na tela, por telas e através de telas, tocando em sentimentos de solidão, desilusão, medo e arrependimento, e descrevendo o poder que as telas ao nosso redor exercem hoje.

Talvez ironicamente, ou nada irônico, o álbum foi gravado quase que inteiramente de forma remota entre Los Angeles e Glasgow, os membros Lauren Mayberry, Martin Doherty e Iain Cook produziram e mixaram o álbum por meio de chamadas de vídeo e programas de compartilhamento de áudio para criar algo que é único e especial, mas ainda CHVRCHES.

“Acho que para mim foi útil entrar no processo com a ideia de que eu poderia escrever algo quase escapista”, diz Mayberry sobre o álbum. “Isso foi libertador inicialmente, ter conceitos e histórias para tecer seus próprios sentimentos e experiências, mas no final, todas as letras eram definitivamente pessoais.” Enquanto Martin Doherty acrescenta: “Para mim, o aspecto da tela era um pouco mais literal. Quando estávamos fazendo o disco, era como se metade de nossas vidas fossem vividas por meio de telas. O que começou como um conceito agora é uma tábua de salvação.”

Artigo anteriorSalvador Weekend 2021 com Léo Santana, Dilsinho e mais será neste final de semana
Próximo artigoKat Von D lança álbum de estreia ‘Love Made Me Do It’
Olá! Meu nome é Beatriz Chiessi e sou formada em Gestão Empresarial. Fã da Aggretsuko, apaixonada pelos filmes do Studio Ghibli, Simmer assumida e astronauta do Astroneer.